Impressões de Minas

Primary Menu
Primary Menu

Impressões de Minas

PRÉ-VENDA

Vão

João Tonucci

A imagem usual do vão enquanto estrutura oca e livre é aqui preenchida pelo sentido de vacuidade e banalidade também evocada pelo título do livro, delineando a geografia de um cotidiano desastroso, por vezes inútil, mas ainda assim entreaberto. No texto escrito para a orelha, Flávia Péret chama atenção para a imagem nada exata que emerge do jogo poético de montagem dos livros, semelhante a uma “paisagem sem figura”, tal qual a imagem de um vão. Nas palavras da autora, […] “João cria outros sentidos para essa palavra, reafirmando assim o trabalho do poeta como aquele que inventa desvios onde antes existiam usos gastos e ordinários”.

O livro, dividido em três partes – dentro, entre e fora –, convida o leitor a retraçar uma singela odisseia poética que tem princípio no âmago íntimo do cotidiano, atravessa o labor da arte poética e desembarca nas margens de um mundo desmesuradamente descentrado, ao qual o poeta tenta ainda se apegar. A reflexão sobre a escrita que ocupa o núcleo do livro parece operar como vaso comunicante entre o mundo do indivíduo e o indivíduo no mundo, propondo um entre-espaço capaz de simbolizar o poder da linguagem em atar (e desfazer) laços e relações. Como uma passagem – de ida e volta – entre o dentro e o fora que nos habita. Mas os limites da capacidade desta mesma linguagem em nomear e fixar situações, lugares e afetos são também colocados à prova nestes poemas, pois muitas vezes é também vão nosso esforço de comunicação. Não seria a poesia uma arma para falar do indizível, do impronunciável?

Catálogo

  • A baratonauta
    R$45.00
    [FRETE INCLUSO] Certa noite uma barata acordou de sonhos intranquilos e decidiu colocar em prática um plano mirabolante que há muito tempo morava em sua cabeça. Cheia de coragem e determinação, ela parte em busca de ser aquilo que sempre quis: uma barata astronauta. O livro A baratonauta, escrito e ilustrado por Tati Pimentel, narra a jornada de aventuras dessa ousada baratinha que voa tão alto que consegue chegar em outro planeta. Uma verdadeira odisseia espacial!
  • A cor do amor
    R$36.00
    [FRETE INCLUSO] "Qual é a cor do amor?" Essa é uma pergunta que se instalou na cabeça de uma menininha bem curiosa. Esperta como só e quase como uma detetive, ela sai a observar seu dia a dia e entre cores e brincadeiras descobre uma bela resposta. O livro “A cor do amor” foi escrito por Francine Lopes.  
  • A verdadeira história dos botões
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] A verdadeira História dos Botões é uma fabulação em torno de ideias e de conceitos sobre patrimônios e cultura indígena. Aos botões (uma estimadíssima preferência pessoal da autora) é reservada a chave possível para tratar sobre aqueles temas em um ambiente de aventuras e até de algum suspense. Pensado preferencialmente para o jovem público leitor, o que se quer é afirmar os seus atributos de autonomia, independência e imaginação criativa e, sobretudo, neles apostar. Pelas vozes do narrador, o texto se constrói mais como um exercício de experimentações, melhor, de experimentar o pensamento na direção do outro, o leitor, com o desejo de que ele pense e reflita sobre os ensinamentos da convivência, da preservação dos patrimônios humanos e culturais e a importância das narrativas – da história, da memória.
  • A sola dos pés respira melhor quando toca o solo
    R$36.00
    [FRETE INCLUSO] Tristão Macedo nasceu em Formiga, Minas Gerais, em 1959, e é professor de Língua Portuguesa da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte. É autor dos livros Sem cuecas na gaveta (Impressões de Minas, 2012) e Poesia visível (Impressões de Minas, 2014). "A sola dos pés respira melhor quando toca o solo" é seu segundo livro de poesias.
  • A vida afetiva dos objetos
    R$36.00
    [FRETE INCLUSO] Sem arroubos, A vida afetiva dos objetos se ocupa em examinar relações, alegrias, lacunas e memórias e encontrar pequenas belezas onde não se espera.
  • A vida mínima
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] Em A vida mínima, Luiz Guilherme Romancini emprega o mínimo de palavras para informar o máximo, discorrendo relatos verídicos, ficcionais, de trabalho, causos, anedotas e abstrações diversas, sobretudo no que diz respeito às vicissitudes humanas. No âmbito da linguagem, por meio de texto coloquial, apresenta 120 microtextos com até 120 palavras. "Os textos de 'A vida mínima' se encontram em um espaço limite entre vários modos de escrita: as fábulas, com seus bichos pensantes e suas lições morais (aqui, prezam por um mistério do negativo); os aforismos filosóficos; a criação de mundos e seus apocalipses; as lendas de cidades grandes e pequenas; os diálogos abertos com outros autores e seus personagens eternos; as piadas, anedotas e charadas; as contemplações de um lirismo irônico (que parece não contemplar apenas belezas, mas as feiuras e os atritos); as linguagens múltiplas e seus lugares comuns. Ora em humor, ora em tragédia, os feitos narrados nestes pequenos contos possuem apenas a grandeza paradoxal que o cotidiano lhes permite ter. A vida mínima vai criando espaços, às vezes enganadores, que parecem valer menos, às vezes como tesouros, mas sempre mostrando a autenticidade de uma escrita justa e contínua." (Trecho da orelha do livro, escrita por Laura Cohen, que fez a preparação dos textos originais do autor). Ilustrações de Wallison Gontijo.  
  • A atualidade da Teoria Estética de Theodor W. Adorno
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO]

    Há cinquenta anos era publicada a Teoria Estética de Theodor W. Adorno, um ano após seu súbito falecimento. Hoje como há meio século, a obra é objeto de fascinação e de desafio para a crítica. Com efeito, sua condição de inacabamento confere-lhe aquele brilho enigmático dos grandes projetos interrompidos que, embora inconclusos, abandonados, muitas vezes inacabáveis ou, no melhor dos casos, arrematados por outrem de forma provisória, permanecem misteriosamente de pé, dando à própria fragmentação um aspecto de imponência e perenidade. Embora inacabada, a obra condensa a reflexão estética de toda uma vida desse autor que ofereceu uma das contribuições à disciplina mais decisivas do século passado. Pois trata-se de seu “grande livro sobre a estética”, como Adorno se referiu à Teoria Estética em uma das últimas entrevistas que concedeu. Este livro compreende-se como um gesto de celebração desse fascínio e uma tentativa de confrontação de seu desafio. Como toda celebração de uma efeméride do mundo do pensamento, também esta pretende, a um só tempo, afirmar e interrogar a sua vitalidade – ou, na melhor tradição crítica, afirmá-la justamente ao interrogá-la, na exata medida em que ela permanece sendo um objeto de interrogação produtiva para o presente.

    Organizado por Rodrigo Duarte e Daniel Pucciarelli, o livro também traz textos de Silke Kapp, Bruno Pucci, Douglas Garcia Alves Júnior, Lucyane De Moraes, Verlaine Freitas, Luiz A. Calmon Nabuco Lastória e Rachel Cecília de Oliveira. O projeto gráfico é da Rita Davis.
  • Derlon
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] O livro apresenta um recorte do trabalho artístico do artista pernambucano Derlon, orientado por sua experiência durante a residência artística no sertão central do Ceará, como parte do projeto Ouro Branco (O projeto Ouro Branco foi apoiado pela marca de tênis francesa Vert, que produz seus calçados com o algodão plantado e colhido por famílias que vivem da agricultura orgânica na região do semiárido nordestino). De caráter introdutório, a primeira parte do livro enfatiza de forma abrangente a poética do artista, por meio da apresentação de intervenções urbanas realizadas em diversas cidades, que já sinalizavam os temas de seu interesse de pesquisa. No início de sua carreira, é possível notar uma preocupação latente com o desenvolvimento de ferramentas que aproximem e comuniquem a arte de modo efetivo com as pessoas, desejo visibilizado pela convergência com a estética da xilogravura, de comunicação eficaz, direta e de fácil assimilação. A segunda parte do livro, por sua vez, é dedicada a trabalhos desenvolvidos durante a residência artística, período em que Derlon pôde estabelecer uma dinâmica de convívio com as pessoas das comunidades contempladas pelo projeto e observar a cultura local através do cotidiano de seus moradores, sua história e o cultivo da terra. Esta vivência seria determinante para a continuidade de seu processo, foco da terceira parte do livro, que apresenta uma série de trabalhos desenvolvidos em decorrência da residência, como a exposição de título homônimo, Ouro Branco, realizada na Artur Fidalgo Galeria, no Rio de Janeiro, e ocupações artísticas nas ruas de Paris e São Paulo.
  • Dramaturgias do Real
    R$46.00

    [FRETE INCLUSO] O encontro de práticas potentes de criação de realidades a partir de noções diversas de performance, corpo e imagem se apresenta, em Dramaturgias do Real, nos desdobramentos tecnológicos, científicos, cênicos, urbanos e sociais. As pesquisas apresentadas renovam a dramaturgia em suas formas políticas e singulares em um drama e um real unificados, que se revelam em novos modos de viver a arte no mundo.

Shopping cart

No products in the cart.