Impressões de Minas

Primary Menu

Impressões de Minas

Primary Menu

Exibindo 1–20 de 67 resultados

Filtros
  • Macário, de Álvares de Azevedo. Ilustrações de Tiago Farias
    R$45.00
    [PRÉ-VENDA] [FRETE INCLUSO] Publicado pela primeira vez em 1855 e definido por Antonio Candido como “um drama fascinante”, Macário, peça teatral escrita pelo poeta Álvares de Azevedo, ganha uma nova edição sob os cuidados da editora mineira Impressões de Minas. O livro, que conta a história do jovem estudante Macário e seu encontro com Satã, traz abordagens que denunciam as questões sociais da época, além de apresentar características ímpares do Romantismo. A novidade desse novo volume está nas ilustrações exclusivas feitas pelo artista e designer Tiago Farias, que utilizou as técnicas do carvão e o vinho como tinta para as imagens presentes no livro. Nas palavras de Luciana Fátima, “a escuridão da noite e os tons rubros do vinho acrescentam um sentido único a elementos familiares na poética de Álvares de Azevedo e as técnicas utilizadas por Tiago para compor seu diálogo imagético com o texto, emergem os delírios de amor e de morte – par inseparável que povoa toda a obra alvaresiana”.
  • Caruncho, de Laura Cohen Rabelo
    R$56.00
    Caruncho toma seu nome emprestado de um inseto que come livros, madeira e alimentos. Trata-se de um romance sobre a passagem do tempo, a decadência e a deterioração das coisas e das relações. Também é um elogio à desistência e uma crítica à impossibilidade de escuta em um mundo em que as personagens são tratadas pelos seus cargos, e não pelos seus nomes. Em capítulos que se alternam em dois tempos, temos duas narrativas paralelas que, aos poucos, vão se completando e fazendo um sentido maior. Para a autora, “o romance é um quiasma, uma oposição entre dois personagens. Um maestro de sessenta e cinco anos, cujo corpo adoecido pode impedir de que ele suba ao palco novamente (coisa que ele mais deseja) e uma violoncelista de trinta e cinco, no auge de sua saúde e talento, que desiste de sua carreira e propõe fazer um último concerto”. O maestro, narrado em terceira pessoa, se desdobra em sua falta de escuta: ouve, sem compreender, que a violoncelista está realizando o que ela chama de desistência feliz. Em suas partes, a violoncelista narra acontecimentos de dez anos antes da narrativa do maestro, como questões que envolvem o social, atravessando seu próprio corpo e história, e coloca em perspectiva o elitismo do ambiente musical que habitam. Mas a fala da personagem não é apenas um testemunho de alguns dias que colocaram sua carreira em perspectiva, mas uma palavra dirigida a um terceiro personagem, um pianista.
  • As coisas que eu não disse ainda, de Ana Laura G. Monteiro
    R$40.00
      “As coisas que eu não disse ainda é o primeiro livro da jovem poeta mineira Ana Laura G. Monteiro. (...) Parafraseando Edgar Allan Poe, a autora não encontra tristeza e alegria nos mesmos cantos que os outros, não tira suas paixões das mesmas fontes. Seus olhos, logo cedo, enxergaram a beleza das frestas, dos mistérios, daquilo que muitos geralmente não se dispõem a contemplar. Poetas como Ana Laura mergulham, de escafandro, nas profundezas da alma. A dor, aqui, é tão suporte quanto o próprio papel e tão bonita quanto as flores de setembro. Abra-se, cara leitora, caro leitor, à densa delicadeza desta jovem poeta.” (Texto de Amanda Ribeiro)
  • diminuto amor, de ademar de queiroz
    R$40.00
    Em DIMINUTO AMOR, Ademar de Queiroz expressa a potencialidade das coisas simples em curtas narrativas. Nas palavras de Larissa Mundim, que assina a minibiografia do autor, Ademar “(...) registra o gesto. E destaca a força. Um autor generoso que se permite afetar pelo detalhe e pela verdade que transparece. Ademar respeita os seres de todos os mundos e sabe identificar quando é amor.” O livro tem ilustrações de Wallison Gontijo e projeto gráfico de Elza Silveira.
  • leite criôlo: da rede modernista nacional à memória monumental do modernismo, de Miguel de Ávila Duarte
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] O presente trabalho investiga, sob ângulos variados, o periódico modernista brasileiro 'leite criôlo', publicado em Belo Horizonte ao longo do ano de 1929 e dirigido por João Dornas Filho, Aquiles Vivacqua e Guilhermino César. O relativo esquecimento ao qual foi relegado é abordado a partir da noção de 'memória monumental do modernismo'. A sua inserção no meio modernista dos anos 1920, descrito aqui como 'rede modernista nacional', é explorada tanto pela via da crítica biográfica quanto pela comparação com a obras-chave do modernismo daquele momento. Por fim, a face programática do periódico é relacionada com múltiplas leituras das relações entre nacionalidade, raça, cultura e primitivismo presentes naquele contexto, concebidas a partir do conceito clássico de transculturação narrativa.
  • A Região Abissal do Mar, de Bárbara Buzatti
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO]

    A região abissal do mar é uma ficção autobiográfica. São cartas destinadas a um ser Ausente, que não responde à mulher que fala. Essa mulher que ainda quer dizer alguma coisa. Este livro é dividido em três tempos, não cronológicos: o outono—inverno do ano de golpe; a primavera do ano virado; a primavera do ano do retorno para si. As estações e os três anos são aspectos importantes da narrativa desta viagem. Este é o testemunho de uma mulher que escolhe descer para um lugar tão profundo que é o mergulhar em si. A região abissal do mar é uma conversa com as ausências.

  • Tomar a Forma do Outro, de Douglas Garcia
    R$48.80
    [FRETE INCLUSO] Tomar a forma do outro é um livro composto por um conjunto de doze ensaios que apresentam uma preocupação comum: a de pensar as relações entre experiências estéticas e posicionamentos éticos. Assim, ele toma como objetos obras artísticas e filosóficas específicas. No campo das artes, comparece com mais frequência a reflexão sobre o cinema e a literatura. No campo da filosofia, o objeto mais detido da reflexão é a filosofia moral de Theodor W. Adorno (1903-1969). São textos de formatos diferentes, alguns escritos para revistas acadêmicas, outros para cadernos de cultura de jornais. O que eles têm em comum é a tentativa de pensar pontos de reverberação entre conceitos e questões de estética e de ética. Trata-se de pensar ambos os campos não como disciplinas separadas e estanques, mas como modos diversos de um uso ampliado da razão, atento à alteridade dos objetos. É isso que dá nome ao livro. Tomar a forma do outro, na perspectiva assumida neste livro, é a tarefa mais urgente da razão. Essa razão “mimética” assume simultaneamente a exigência de uma ética do cuidado e de uma estética atenta aos processos sociais imanentes à configuração formal dos objetos. Revisão: Alice Bicalho Projeto gráfico: Preto Matheus
  • Voltar Para Ir, de Débora Arruda
    R$48.80
    [FRETE INCLUSO] "Esse livro não poderia ser mais poético. Tudo aqui conflui, tem a presença da potência de um recomeço. Agora já outra, mas também a mesma, Débora Arruda constrói seus versos como quem faz um bordado. E a priori  faz parecer que o seu tempo é semelhante ao de quem tece. Talvez esteja aí o ritmo de seus poemas. Voltar para ir é, sem dúvida, uma travessia de Débora para as suas origens: um voltar para a sua terra e para a sua poesia. Ambas, inevitavelmente, permanecem inaugurais, mesmo porque o retorno é sempre um novo começo. Esse traçado fulcral pra si mesma, como um oráculo que orienta o porvir, Voltar para ir ou ainda “de onde eu vim é sempre saber para onde eu vou”. Afinal, o que dará o último ponto do bordado?" (Texto de Ana Rita C Souza). Voltar Para Ir é o quarto volume da coleção Ouvido Falante.
  • Espelhos, de Felipe S
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] Felipe S é conhecido por ser o frontman da banda pernambucana Mombojó, e também pela sua carreira solo com o disco Cabeça de Felipe, lançado em 2017, e o Espelhos (que dá título ao livro), lançado neste ano.  Espelhos, de Felipe S, possui 55 páginas com letras, cifras, ilustrações e comentários sobre cada canção. O leitor, ao ter em mãos o livro Espelhos, poderá não só saber o que inspirou o artista Felipe S. ao fazer as canções, como também poderá tocar as músicas ou ouvi-las acompanhado da leitura. Junto às letras e cifras, estão as ilustrações de Pedro de Albuquerque e Maurício Silva, pai e irmão de Felipe, respectivamente. O livro possui formato que remete aos encartes dos antigos discos compacto 7 polegadas, e também foi inspirado nas revistas de cifras publicadas nos anos 80.          
  • Árvore Nômade (segunda edição), de Rafael Fares
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] Árvore nômade é um livro dedicado às árvores e aos povos indígenas, e à relação entre eles. Composto por algumas dezenas de poemas, é uma pequena exposição do que o autor chama de uma poética da paisagem, da terra. No livro, além das impressões das palavras, estão presentes as ilustrações de diversos artistas plásticos que se dedicam às árvores e aos modos de ver os mundos em suas obras plásticas: Leonora Weissmann, Nila Guarani Kaiowá, Humberto Mundim e Jaider Esbell. A segunda edição traz novos poemas e texto de apresentação de Maria Inês de Almeida.
  • Meu Livro Vermelho, de Otto
    R$70.00
    [FRETE INCLUSO] Conhecido por diversas canções consagradas, o cantor e compositor Otto estreia na literatura com o tão aguardado MEU LIVRO VERMELHO, que reúne textos, reflexões, fotografias e poemas numa espécie de diário do artista. Neste livro, encontramos os pensamentos mais profundos do cantor e compositor Otto, além da sensibilidade, já conhecida em suas canções, que assume agora a potência da escrita. Em MEU LIVRO VERMELHO, Otto aborda emoções diversas em incessante movimento, onde sua escrita, nas palavras da editora Elza Silveira, se demonstra “aberta e caleidoscópica, revelando as inquietações diante das asperezas e alegrias dos dias”, afirma.
  • Abaixo da Luz do Sol
    R$40.00
    [PRÉ-VENDA – 20% DE DESCONTO] [FRETE INCLUSO]

    Se Luedji atravessa o mar, e se converte em sua própria embarcação, Jazz é da rua, e não se contenta em ser só um corpo no mundo. Abarca a todxs com seu levante de “coragem”; entrega sua mão, sua palavra, sua poesia a qualquer pessoa que lhe olhe nos olhos. Vai agregando, corpos e corpas, ao seu dentro. Sua narrativa é “dentro”, para que esse corpo cresça, inunde e transborde luz. Sugiro aos céticos que leiam este canto−livro com os pés no chão, desprovidos de calçados. De preferência, pisem a terra. Ler este livro não garante a verdade do brilho nos olhos do poeta, que recita com lágrimas, em saraus, slams, bares, teatros, botecos... como se fosse sua última vez. Mas, chama−nos a conhecer como caminhar por entre as ruas. (Texto de Rogério Coelho para o prefácio do livro).

    Abaixo da Luz do Sol é o segundo volume da coleção Ouvido Falante. O livro traz como encarte um pequeno livreto de poesias.
  • Planner 2022
    R$50.00 R$10.00
    [FRETE INCLUSO] [ENVIO PARA TODO BRASIL A PARTIR DO DIA 30/11] [EDIÇÃO LIMITADA / TIRAGEM DE 200 EXEMPLARES] 2022 2021 foi um salto. Ainda em crise, ainda na pandemia, com medo remanescente, com angústias... porque prever um futuro continuou difícil. O ano passou com gosto mesmo de travessia. Em direção a quê? 2022 vem nos alentar? Virá o fôlego que nos faltou? Virá a esperança que sobreviveu? Virá um tempo melhor? Por que os e as poetas persistem? É a quinta vez que produzimos um planner poético. Novamente, ele é recebido com alegria e afeto. Desta vez, celebramos. Comemoramos os cinco anos deste belo projeto, mesmo nestes tempos de incerteza e injustiça. Não à toa conciliamos um planner e a poesia. É ela que sustenta nossos dias de escorregar quase até chegar à desistência; é ela que nos alça novamente. Agora, reunimos doze poetas de várias partes do Brasil e seus poemas que aludem às quatro estações. O tempo passará de novo, mas não sem beleza, não sem a possibilidade de vermos todo o ciclo, repetir-se e repetir-se. Aprumemo-nos para o que virá de bom. Estamos gratos e gratas à sua alegria ao receber este planner de novo. (Texto de apresentação de Ana Elisa Ribeiro) Planner 2022 Poesias: Regina Azevedo Allan Jonnes Fernanda Bastos Manuella Bezerra de Melo Júlio César Meireles de Andrade André Luiz Pinto Amanda Ribeiro Socorro Nunes Ana Paula Dacota Camila Dió Cida Pedrosa Mariana Ianelli Curadoria: Ana Elisa Ribeiro Projeto Gráfico: Elza Silveira Revisão: Carolina Vasconcelos Capa em papel Color Plus Los Angeles 240g, impressa em serigrafia e com corte especial. Miolo em papel Pólen Bold 90g.
  • Gigantes e Monstros, de Binho Barreto
    R$50.00
    [PRÉ-VENDA - 20% de desconto + brinde]
    Monstros podem ser um monte de coisas: aquilo que a gente tem medo, o mistério de uma história, um alerta, os sentimentos com os quais não sabemos lidar. Existem lugares onde a gente não vai porque sabe que lá tem monstros, há outros em que a gente vai só para vê-los. E os gigantes? Gigante é um ser enorme. Muitas coisas podem ser gigantes. A gente chama um chocolate muito, muito grande, de um chocolate gigante; um caminhão pode ser gigante! O que mais pode ser gigante? Um país, um planeta, o universo! Até aquilo que a gente não enxerga tão facilmente também pode ser gigante, como o amor, a amizade, a vontade de brincar, a saudade. Existem coisas gigantes ruins (como uma dor de barriga gigante) e coisas gigantes boas (tipo uma jabuticaba gigante ou uma goiabada gigante). Em GIGANTES E MONSTROS - PARA LER E COLORIR, de Binho Barreto, o desenhista e escritor convida crianças e adultos para conhecer o universo dos Monstros e Gigantes, como é o caso do Gigante da Mexerica, o Monstro Nada a Ver, o Monstro de Oito Olhos e muitos outros.
  • Pequenos Cortes, de Rosa Araújo
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO]

    Um livro pode passar por alguns lugares comuns: garrafa ao mar, ruído do tempo, ser sempre melhor que o filme. O limite entre o que lemos e o que escrevemos se encontra em constante processo de negociação. A história é assim: uma pessoa volta de uma viagem a Portugal com alguns livros na mala. Um desses livros é o Short movies do Gonçalo M. Tavares. Uma mulher, que escreve poemas e desenha, pega o livro emprestado e começa a leitura. A leitura faz com que essa mulher comece a imaginar coisas, a se lembrar de coisas, o livro transborda. Ela começa a escrever um pequeno texto para cada conto do livro, relatando as imagens que lhe ocorrem: violências cotidianas, quadros que caem das paredes, crianças e mulheres, bichos, museus, lixões, dunas de areia... Assim nasce Pequenos cortes, de Rosa Araújo: a resposta concreta de uma leitura, mas que não necessariamente depende dela para completar seu ciclo. Contar uma história pode sempre ser recontá-la, uma vez que ela já foi dita em voz alta, ou lida em outra página, ou ainda: traz a sensação vaga de que já se viveu aquilo, em algum lugar. Pequenos cortes é um livro de produzir estranhamentos: a área cinza entre o conto e a poesia, a verdade e a mentira, os números saltados dos textos, o velho e o novo. (Texto de Laura Cohen Rabelo)

  • 1929, de Rafael Fava Belúzio
    R$50.00
    [PRÉ-VENDA COM 20% DE DESCONTO] [FRETE INCLUSO] 1929 O livro 1929 reúne 29 crônicas escritas por Rafael Fava Belúzio entre os anos de 2009 a 2014, retrabalhados, principalmente, durante a pandemia de 2020-2021. Doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais, Rafael Belúzio é conhecido pelo seu olhar de cronista, atento e certeiro nas observações do cotidiano das cidades. Em 1929, o autor traz releituras de tradições literárias brasileiras, articulando aspectos locais e universais, de modo a trazer potentes reflexões sobre a vida por meio de uma linguagem fluida. Segundo a autora Maria Esther Maciel, que assina a quarta capa do livro, “1929 é um livro de crônicas incomum, que vai ‘do mais simples rés-do-chão’ aos voos (altos e rasantes) sobre cenas, cenários e acontecimentos diversos, deles extraindo pequenos e grandes assombros”. A cidade mineira de Carangola, por sua vez, é flagrada, no livro, em cenas prosaicas, vívidos cenários e paisagens íntimas. Para Maria Esther, Rafael Belúzio “traz à tona diversos temas, como também experimenta novas formas e formatos textuais, levando assim, o gênero crônica para além de seus limites, sem prescindir das linhas de força que o caracterizam”, afirma.  1929 traz imagens de Camila Monteiro de Lima, Gilmar Soares, Paulo Bevilacqua e Thiago Assis Felisberto Petronilho, além de projeto gráfico de Elza Silveira. Postais impressos com ilustrações de Thiago Assis Felisberto Petronilho acompanham o livro.
  • A Casa Onde Eu, de Ludmila Benquerer
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] “A Casa Onde Eu” é uma ficção autobiográfica, escrita em prosa poética, que aborda temas como dor e superação. O livro apresenta um entrecruzamento de vozes que fazem uma reflexão, a partir da história da personagem Violinha, acerca dos processos humanos e de questões delicadas sobre violências sofridas na infância.
  • La Chica Zombie, de Gabriela Albuquerque
    R$40.00
    [PRÉ-VENDA – BRINDE: CADERNINHO] [FRETE INCLUSO] Em seu livro de estreia, La Chica Zombie, a cineasta, tradutora e escritora Gabriela Albuquerque, traz uma literatura que versa sobre mudanças vividas nas cidades de Belo Horizonte e Buenos Aires. A escritora aborda, com ironia, diferentes temas, ora escritos em português, ora escritos em espanhol, numa mescla entre a poesia, a prosa e o diário. Com capa assinada por Lola Gonzalez e projeto gráfico de Rita Davis, Gabriela Albuquerque contou também com a preparação do original de Carolina Fenati e revisão de Bernardo Bethonico .
  • Areia para Engrenagens, de Allan Jonnes
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] Sob o título de Areia para engrenagens, a obra é um conjunto de poemas híbridos, experimentos e vozes que denotam um permanente esforço de fusão entre duas das mais proeminentes tradições de poesia – a oralidade e a palavra escrita, uma aguçada busca de elementos uníssonos entre esses dois riquíssimos territórios da literatura. Com acidez e perspicácia o autor constrói um percurso de poemas que se dispersam pelos mais diversos temas contemporâneos, guiados unicamente por um apurado fio condutor: a sabotagem, ou tecno-trapaças. Para o poeta Pedro Bomba, responsável pelo texto de apresentação da obra: “Cada poema desse livro é um punhado de areia, e estamos, por certo, ao ler sua obra, prestes ou recolhendo materiais necessários para a ação; lubrificar com areia as máquinas do mundo para fazê-las fracassar. Editado pela Impressões de Minas e pelo selo Ouvido Falante – responsável pela publicação de diversos poetas brasileiros oriundos da tradição da poesia falada – o livro é um apanhado de 42 poemas do autor e traz ainda ilustrações de capa e miolo da habilidosa artista plástica e também sergipana Beatriz Cajé.
  • A filha, a flor, o cais, de Ana Luíza Drummond
    R$35.00
    [PRÉ-VENDA] [FRETE INCLUSO] Primeiro livro de poemas de Ana Luíza Drummond, A Filha, a Flor, o Cais é, nas palavras de Ricardo Pinto de Souza "um livro da infância (em vez de 'sobre' a infância: escrito a partir de uma infância), e isso não significa as figuras edulcoradas e burguesas que imaginam a infância como o lugar de diminutivos e cores de plástico, mas a infância de fato, o lugar fronteiriço por excelência, de amor e inferno, espanto e abismo. (...) Um livro que permite recuperar o amor, a dor, a memória, a obscenidade e o corpo de alguma infância".

Shopping cart

Subtotal: R$10.00

Ver carrinhoFinalizar compra