Primary Menu
Primary Menu

Exibindo 21–40 de 89 resultados

Filtros
  • Feita de osso, Lizandra Magon
    R$55.00
    [FRETE INCLUSO] Composto por cinco partes - Berço, Primeiros voos, Young adults, Balzaca e Maturidade - "Feita de osso", novo livro de poemas da escritora Lizandra Magon, nos permite transitar pelo percurso de vida de uma mulher que se reinventa e renasce de si inúmeras vezes. Em "Feita de osso" , iniciamos a leitura pelas recordações da infância marcada por expectativas familiares para, em seguida, adentrarmos os primeiros voos da poeta, guiados pelos desejos inscritos no corpo. Assim seguimos por todo livro, conhecendo as outras partes desse corpo-mulher, tornando complexa, uma poesia composta de sensualidade, tesão, cura, vontades, feridas, carne e osso.
  • Plantando poesia, Derlon (org.)
    R$70.00
    [FRETE INCLUSO] Há nove anos, o artista visual Derlon dedicou sua obra a uma residência artística no sertão do Ceará, em áreas de cotonicultura na comunidade de Riacho do Meio. Em homenagem às famílias locais, Derlon pintou as paredes da região e teve essas obras transformadas em lambes e espalhadas Brasil afora. Em 2022 o artista mergulhou em uma nova residência no Sertão do Pajeú (PE) e convidou um grupo de renomados poetas do território para o nascimento do livro Plantando poesia. Sob a curadoria de Derlon, os poetas Alexandre Morais, Elenilda Amaral, Islan, Isabelly Moreira e Zé Adalberto trazem na escrita imersiva, a história de vida dos agricultores e agricultoras do sertão nordestino.
  • Abraço sua crina, de Antonia Nayane
    R$45.00
    [PRÉ-VENDA – o livro será enviado a partir de março de 2023] [FRETE INCLUSO] Antonia Nayane está sempre a cerzir – mesmo quando lhe falta a agulha, a linha, o pano. Sua poética viva e constante tece a trama do solo, da pele, do passado, do erotismo, das águas de uma Amazônia calada e intempestiva. Não será tarefa simples desvendar o que nos prepara Antonia, haja vista a posição que tomamos diante de seus escritos: abandonamos o lugar-comum reservado aos leitores românticos e nos tornamos detalhes à paisagem, pequenas substâncias às bordas do abismo, testemunhando a costura das palavras desse livro, uma a uma, como fundamentos decisivos de uma linguagem cicatriz, ponte-limite entre o rasgo e a restauração. (Texto da orelha escrito por Paloma Franca Amorim, escritora, dramaturga, professora da Escola Livre de Teatro de Santo André) Um livro fundo preserva em si o aquilo que quem o escreveu crê ser a escrita. Na reunião de poemas escritos por Antonia Nayane, adivinho três “aquilos”: os fantasmas, a poesia, o desejo. O corpo de vó, seus cheiros, texturas e sons; a palavra entortada pelo lirismo, seus labirintos, desvios e poços; o desejo febril na noite, seu latejar, derramar e eclodir organizam os poemas vibráteis em uma sequência fotográfica: são imagens calcificadas, ardendo ainda, que rasgam o olhar de escritora de Antonia. Desse olhar, nostálgico e vanguardista, erguem-se os sentidos indômitos de um livro que antes de mais nada erige um lugar: de morte, de paixão, de tempo. (Texto da orelha escrito por Felipe Cruz, professor e escritor, mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará) O prefácio de Abraço sua crina é da Roberta Tavares (quilombola, poeta, historiadora e pesquisadora das afro-amazonidades), com comentários de orelha da Paloma Franca Amorim e Felipe Cruz, preparação de originais de Pedro Bomba e revisão e projeto gráfico de Elza Silveira.  
  • A fantástica fábrica de machos
    R$55.00
    [FRETE INCLUSO] Capitão Brazil, Coronel Azeitona, Sargento Boca Rota e Tenente Garboso são alguns dos dez personagens que o artista Fernando Siqueira escreveu e ilustrou em seu mais novo livro intitulado “A fantástica fábrica de machos”.  Nas histórias que mais lembram contos de fadas às avessas, cada personagem é uma caricatura: homens atormentados por delírios heroicos e viris capazes de cometer façanhas das mais grotescas e absurdas. Os personagens de “A fantástica fábrica de machos” são homens, em sua maioria, encobertos por patentes militares, investidos pelo poder que os encoberta e revestidos de uma erótica que os aniquila. Segundo Luiz Morando, pesquisador LGBTQIA+, os personagens do livro são “movidos à ironia, humor ácido e uma refinada camada de impotência, (é assim que) esses personagens desfilam suas vulnerabilidades e fraquezas”, afirma Luiz que assina a quarta a capa do livro. O humor e a sátira – elementos marcantes da obra – estão por toda parte, desde os textos que assumem uma linguagem simples com versos rimados até as ilustrações que apresentam homens másculos em aventuras falocêntricas. Em resumo sobre o que o leitor encontrará no livro, o autor sintetiza: “são histórias infames para rir e se enfurecer e depois rir outra vez.”, afirma Fernando Siqueira.
  • A barca inacabada, de Júlia Arantes
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] "Como escrever o fracasso? Como não apenas falar dele, mas também colocá-lo na forma, na sintaxe, na costura do livro, na fibra do papel? Desejava escrever a ruína com letras de destroços, com verbos de escombros, com a tinta dos sargaços". Em "A barca inacabada", Júlia Arantes reúne 36 peças curtas que se alternam e se misturam com cenas breves, microensaios e esboços de parábolas para assumir uma literatura "que nunca para de acabar". Segundo Luís Alberto Brandão que assina a prefácio do livro,  "há, em 'A barca inacabada', flagrantes narrativos em que o fascínio por ações e objetos rotineiros não esconde o cansaço que produzem em quem os vivencia. Quando o tom ensaístico predomina, uma voz em princípio neutra assevera generalizações que acabam desembocando na dúvida quanto à neutralidade e à validade de regras gerais". Com ilustrações da artista Júlia Panadés, "A barca inacabada" ergue o fracasso como uma espécie de "alento, de alísio, de vento que sopra as velas das ideias, das sensações, das palavras-e-silêncios que as transportam".
  • Faca n’água [fragmentos de panela], de Laís Velloso
    R$55.00
    [FRETE INCLUSO] “Tudo começa pela abertura da boca; isso também é um corte. E uma cicatriz”. É através das relações entre o faminto, a comida e os gestos da comidaria, que a poeta, artista e pesquisadora Laís Velloso, traz em seu “Faca n’água [fragmentos de panela]” poemas que tratam sobre as quebras, a fome, as ausências, os esvaziamentos que acontecem diante do prato, da boca, do abraço.  É esse o motivo da repetição, da interrupção, do fragmento, da pergunta sobre a impermanência das relações, do alimento, do comer e do cozinhar. Composto por 24 poemas e ilustrações da artista Rachel Leão, “faca n’água” reflete sobre todo o conjunto de elementos que rodeiam a comida: o ato de comer, o ato de mastigar, o corte, a saliva, os dentes, a fome, o estômago.
  • Entre, de Olga Valeska
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] O que pode surgir do encontro entre a dança e a poesia? Uma possível resposta para essa pergunta está no livro “Entre”, da poeta e dançarina Olga Valeska. O título do livro é, segundo a autora, um convite à entrada e o lugar de intervalo em dois pontos. “O livro é um convite a uma entrada e ao mesmo tempo a ideia de estar entre coisas, entre experiências, principalmente, artísticas, o livro tem esse percurso de encontro entre linguagens e obras artísticas”, afirma. Os poemas presentes no livro trazem uma poesia coreografada ou nas palavras da escritora Ana Elisa Ribeiro “ ‘Entre’ não é feito apenas de linguagem e metalinguagem, vozes educadas e silêncios enganosos. Ele se compõe também dos sentidos do amor, da saudade, da ausência, de amar um arlequim e ter de se ver com isso, do tempo, de palavras em castelhano, de passos de dança, de um tango, de lágrimas em chamas”, afirma Ana Elisa que assina o prefácio do livro.
  • Urubu, de Emilia Mendes
    R$60.00
    [FRETE INCLUSO] Composta por duas partes que trazem textos poéticos e fotopoemas, o livro “Urubu” da poeta Emilia Mendes, trava uma reflexão sobre aquilo que elegemos socialmente como aceitável ou pária para alguns. A figura do urubu torna-se uma metáfora de um tempo de entendimento às avessas que temos vivenciado.
  • Algo, de Carlos Augusto Novais
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] Ocupando a confluência das tensões entre vanguarda artístico-poética, comunicação e participação política, o poeta Carlos Augusto Novais, apresenta em “Algo”, poemas publicados em jornais, revistas e diversas outras plataformas, enaltecendo a poesia em seus diferentes campos de experimentação.
  • Um mergulho e seu avesso, de Alberto Pucheu e Tarso de Melo
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] O retorno à superfície reivindica a poesia. Sem ela não se pode retornar, pois a poesia é um acesso, uma via pela qual o inefável deixa de bordejar a experiência e passa a ganhar contornos mais definidos – aqueles que o leitor colhe à beira da página como um dia cada um de nós certamente já colheu restos de conchas à beira-mar. Desse modo, a poesia, como as conchas, conhece o caminho do retorno, desde o fundo à superfície, mas em sentido inverso, pois se subir à tona e depositar-se à beira da praia transforma a concha em ruína, em túmulo para um corpo ausente, a poesia quando retorna reinveste de vida aquilo que do abismo, da profundidade, pulsava em silêncio ou quase sem ar. Alguns corpos submergem vivos, conchas. Outros retornam vivos à superfície, poema. Em seu périplo pela página em branco, cada palavra do poema, cada minúscula madrepérola de palavra, mesmo quando só aponte ruínas, rompe o inefável, o imponderável e dá ao Real o ar sem asfixia do simbólico, não cessa de dizer o que não seria dizível a não ser pelo jogo mergulho-superfície da própria poesia. Neste livro, o mergulho e seu avesso, como o chama Tarso de Melo, encenam a dupla volta em torno da vida-morte das experiências, ou do “experimentável”, e da morte-vida da palavra. O leitor é guiado, então, não para uma síntese ou explicação dos dois poemas imprescindíveis de Pucheu, lidos por Tarso, porém pelas perguntas que o primeiro faz ao par de mantras-poemas, único oxigênio possível quando a asfixia do mundo não está apenas na falta de ar imposta pela COVID-19, mas porque a asfixia como gás grisu espalha-se cruel e implacavelmente assassinando aqueles que para Achile Mbembe são corpos matáveis, não nasceram para respirar, outrossim, em luta constante, sequer têm chance ou direitos para respirar. Nessa visada, a leitura crítica que Tarso de Melo faz de “ é preciso aprender a ficar submerso” e “é preciso voltar à superfície” de Alberto Pucheu torna-se, ela mesma, um mergulho e nosso avesso – entre a esperança que vê nos poemas de Pucheu e a indignação manifestada pelo que os poemas trazem, é a nós que Tarso recolhe da beira deste país em cadafalso, quase pós-pandêmico, esgarçado em suas instituições para indicar não as conchas e talvez não as palavras, apenas aquele espaço inquietante e sem clausuras com que o exercício crítico presenteia o leitor, a leitora. Nosso avesso vai mais fundo. Alhures, entre a submersão e a subida à superfície, é a nossa fragilidade humana, nossos desvãos, nossos “em vãos” que o poeta Alberto Pucheu recolhe para convocar este grito preso, depois de tanta falta de ar que agora, convocado, subindo das vísceras para onde mergulhara abissalmente, jorrando feito vômito, liberta-se do medo. Medo? Este que perdemos, agora, aqui, quando não há mais a perder. O ensaio reencena os poemas, recifra-os e, com isso, longe do adverso, em cada verso, outros de nós, outra de mim, pelo avesso, mergulhamos e voltamos à superfície. (Texto de Diana Junkes para a orelha do livro)
  • Acessibilidade e Cidadania, Júlia Gonçalves da Silveira (org.)
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] Acessibilidade e cidadania são temas imprescindíveis e caros à Ciência da Informação. Assim, pensar os processos de democratização da informação e do conhecimento implica necessariamente em compreender a essencialidade desses conceitos na agenda de estudos e nas pautas de mobilização do campo científico. Por vezes, percebe-se que a proposição universal do conceito de cidadania, como ideal a ser alcançado e reiterado, pode relativizar as singularidades e as necessidades específicas dos sujeitos sociais e colocar em risco a concretização de demandas fundamentais relacionadas à qualidade de vida dos cidadãos. Desse ponto de vista, a temática da acessibilidade tem sido enfrentada por diferentes estudiosos do campo, com rigor, tenacidade e compromisso social. Os referidos estudos têm como propósito dar centralidade ao tema no cenário sociopolítico como uma dimensão imprescindível à efetivação dos direitos humanos. A obra “Acessibilidade e Cidadania: teorias e práticas em contextos informacionais”, organizada pela professora Júlia Gonçalves da Silveira é um convite à reflexão e à ação. (Texto de Maria Aparecida Moura para a orelha do livro)
  • Menos ainda, de Ana Elisa Ribeiro
    R$55.00
    [FRETE INCLUSO] O que faz uma poeta? Em Menos ainda, novo livro da poeta e escritora Ana Elisa Ribeiro, encontramos diversas respostas para essa pergunta. Com humor e ironia, Ana Elisa apresenta quarenta poemas que tratam sobre temas contemporâneos através do olhar e terreno do gênero feminino da poeta, contrapondo, por vezes, o universo literário historicamente feito por homens. Em Menos ainda, Ana Elisa Ribeiro também apura a metalinguagem em seus poemas para tratar sobre assuntos que envolvem o mundo dos livros e da edição. Segundo Patrícia Lavelle, poeta e professora da PUC-Rio, “os estereótipos, discriminações e silenciamentos, obstáculos que cercam as trilhas desbravadas pelas poetas, são tematizados com perspicácia, humor e conhecimento de causa, afinal, além de poeta, Ana Elisa Ribeiro é pesquisadora e autora de ensaios sobre a atuação de mulheres no mercado editorial”, afirma a professora que assina o posfácio do livro. Ao fazerem a leitura do livro Menos ainda, as leitoras e leitores encontrarão – além do humor e da crítica refinada dos poemas – dois materiais extras que complementam as reflexões da autora sobre o ofício de ser poeta. Ao final do livro, na orelha, há a “Ficha do Hotel Onde se Hospeda a Poeta” e a “Carteira de Trabalho”, ambos releituras cômicas de documentos oficiais (ou quase oficiais) que jogam e ri de si sobre a inadequação, por assim dizer, apontada à profissão de poeta. Com detalhes em relevo na capa e bolso artesanal na orelha do livro, Menos ainda traz elementos que acompanham as artimanhas poéticas da escritora.
  • Corpo Sonoro & Sound Body, de Igor R. Reyner
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] "Quando li a dedicatória de Corpo Sonoro, não entendi muito bem o sentido em se agradecer aos pais pelo sacrifício. Mas, como toda dedicatória, essa é também uma parte do livro: seu coração. Relendo os poemas, entendo finalmente que há uma ideia obscura de sacrifício percorrendo os versos. Corpo Sonoro é a poesia de um câncer, de uma prática musical, do amor e da própria escrita — e todos os sacrifícios que envolvem esses ofícios. O sacrifício é uma perda voluntária, em que através da magia e da imolação, há uma troca: o quimioterápico vermelho pelos cabelos, a voz de um rapaz por saliva e sêmen, a morte dos cupins pela integridade do piano. Até mesmo Deus é sacrificado — com humor, expondo uma pergunta quase infantil sobre a vida e a morte de um idoso, sugere-se que ele se torne um síndico, o que, sabemos, é mais um sacrifício. Para viver em duas línguas, como vive esse livro, algo se sacrifica. Os poemas não existem em inglês e português como tradução, mas dotados de uma dupla vida. Em espaços diferentes, tornam-se sempre estrangeiros. Também a beira da morte é estrangeira, um não-lugar, este que se ocupa tanto quando se trata uma doença como quando se escreve. E, assim como as palavras mágicas em torno do sacrifício, existe algo de enigma nos poemas, às vezes imagens saturadas de adjetivos, cores e hertz, excesso de corpo, relações de crescimento e encarnação, tumores e seus exames cegos. O livro termina seu percurso no centro, no poema “Repouso”, onde há na mesa de trabalho vários imperativos que instruem um fim. Atirar o livro de poemas ao tanque do sacrifício, todo corpo sonoro, para nós." (Texto de Laura Cohen Rabelo para a orelha do livro).
  • Carbono, de Breno Silva
    R$40.00
    [FRETE INCLUSO] Composto por sete narrativas que têm como plano de fundo o distrito de São Benedito, em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, o livro Carbono, de Breno Silva, aborda a memória coletiva dos moradores. Em caminhadas pelos bairros de São Benedito, observações das ruas, álbuns de fotografias de família e conversas com pessoas, Breno Silva traz para Carbono, uma narrativa coletiva a partir de fragmentos de memórias dos outros e de documentos organizados pelo projeto Espaço da Memória, projeto em que Breno é um dos coordenadores, ao lado de Roxane Sidney, e que investiga a produção da memória relacionada aos processos históricos de construção nos bairros de Santa Luzia. Autor dos livros O radicalmente outro nas cidades (Edufba, 2018) e Atravessando as terras de ninguém (Fábrica de Letras, 2018), Breno Silva é editor da revista DESMANCHE e professor do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). Carbono é o seu terceiro livro.
  • Macário, de Álvares de Azevedo. Ilustrações de Tiago Farias
    R$45.00
    [FRETE INCLUSO] Publicado pela primeira vez em 1855 e definido por Antonio Candido como “um drama fascinante”, Macário, peça teatral escrita pelo poeta Álvares de Azevedo, ganha uma nova edição sob os cuidados da editora mineira Impressões de Minas. O livro, que conta a história do jovem estudante Macário e seu encontro com Satã, traz abordagens que denunciam as questões sociais da época, além de apresentar características ímpares do Romantismo. A novidade desse novo volume está nas ilustrações exclusivas feitas pelo artista e designer Tiago Farias, que utilizou as técnicas do carvão e o vinho como tinta para as imagens presentes no livro. Nas palavras de Luciana Fátima, “a escuridão da noite e os tons rubros do vinho acrescentam um sentido único a elementos familiares na poética de Álvares de Azevedo e as técnicas utilizadas por Tiago para compor seu diálogo imagético com o texto, emergem os delírios de amor e de morte – par inseparável que povoa toda a obra alvaresiana”.
  • Caruncho, de Laura Cohen Rabelo
    R$69.00
    Caruncho toma seu nome emprestado de um inseto que come livros, madeira e alimentos. Trata-se de um romance sobre a passagem do tempo, a decadência e a deterioração das coisas e das relações. Também é um elogio à desistência e uma crítica à impossibilidade de escuta em um mundo em que as personagens são tratadas pelos seus cargos, e não pelos seus nomes. Em capítulos que se alternam em dois tempos, temos duas narrativas paralelas que, aos poucos, vão se completando e fazendo um sentido maior. Para a autora, “o romance é um quiasma, uma oposição entre dois personagens. Um maestro de sessenta e cinco anos, cujo corpo adoecido pode impedir de que ele suba ao palco novamente (coisa que ele mais deseja) e uma violoncelista de trinta e cinco, no auge de sua saúde e talento, que desiste de sua carreira e propõe fazer um último concerto”. O maestro, narrado em terceira pessoa, se desdobra em sua falta de escuta: ouve, sem compreender, que a violoncelista está realizando o que ela chama de desistência feliz. Em suas partes, a violoncelista narra acontecimentos de dez anos antes da narrativa do maestro, como questões que envolvem o social, atravessando seu próprio corpo e história, e coloca em perspectiva o elitismo do ambiente musical que habitam. Mas a fala da personagem não é apenas um testemunho de alguns dias que colocaram sua carreira em perspectiva, mas uma palavra dirigida a um terceiro personagem, um pianista.
  • As coisas que eu não disse ainda, de Ana Laura G. Monteiro
    R$40.00
      “As coisas que eu não disse ainda é o primeiro livro da jovem poeta mineira Ana Laura G. Monteiro. (...) Parafraseando Edgar Allan Poe, a autora não encontra tristeza e alegria nos mesmos cantos que os outros, não tira suas paixões das mesmas fontes. Seus olhos, logo cedo, enxergaram a beleza das frestas, dos mistérios, daquilo que muitos geralmente não se dispõem a contemplar. Poetas como Ana Laura mergulham, de escafandro, nas profundezas da alma. A dor, aqui, é tão suporte quanto o próprio papel e tão bonita quanto as flores de setembro. Abra-se, cara leitora, caro leitor, à densa delicadeza desta jovem poeta.” (Texto de Amanda Ribeiro)
  • diminuto amor, de ademar de queiroz
    R$40.00
    Em DIMINUTO AMOR, Ademar de Queiroz expressa a potencialidade das coisas simples em curtas narrativas. Nas palavras de Larissa Mundim, que assina a minibiografia do autor, Ademar “(...) registra o gesto. E destaca a força. Um autor generoso que se permite afetar pelo detalhe e pela verdade que transparece. Ademar respeita os seres de todos os mundos e sabe identificar quando é amor.” O livro tem ilustrações de Wallison Gontijo e projeto gráfico de Elza Silveira.
  • leite criôlo: da rede modernista nacional à memória monumental do modernismo, de Miguel de Ávila Duarte
    R$50.00
    [FRETE INCLUSO] O presente trabalho investiga, sob ângulos variados, o periódico modernista brasileiro 'leite criôlo', publicado em Belo Horizonte ao longo do ano de 1929 e dirigido por João Dornas Filho, Aquiles Vivacqua e Guilhermino César. O relativo esquecimento ao qual foi relegado é abordado a partir da noção de 'memória monumental do modernismo'. A sua inserção no meio modernista dos anos 1920, descrito aqui como 'rede modernista nacional', é explorada tanto pela via da crítica biográfica quanto pela comparação com a obras-chave do modernismo daquele momento. Por fim, a face programática do periódico é relacionada com múltiplas leituras das relações entre nacionalidade, raça, cultura e primitivismo presentes naquele contexto, concebidas a partir do conceito clássico de transculturação narrativa.
  • Tomar a Forma do Outro, de Douglas Garcia
    R$48.80
    [FRETE INCLUSO] Tomar a forma do outro é um livro composto por um conjunto de doze ensaios que apresentam uma preocupação comum: a de pensar as relações entre experiências estéticas e posicionamentos éticos. Assim, ele toma como objetos obras artísticas e filosóficas específicas. No campo das artes, comparece com mais frequência a reflexão sobre o cinema e a literatura. No campo da filosofia, o objeto mais detido da reflexão é a filosofia moral de Theodor W. Adorno (1903-1969). São textos de formatos diferentes, alguns escritos para revistas acadêmicas, outros para cadernos de cultura de jornais. O que eles têm em comum é a tentativa de pensar pontos de reverberação entre conceitos e questões de estética e de ética. Trata-se de pensar ambos os campos não como disciplinas separadas e estanques, mas como modos diversos de um uso ampliado da razão, atento à alteridade dos objetos. É isso que dá nome ao livro. Tomar a forma do outro, na perspectiva assumida neste livro, é a tarefa mais urgente da razão. Essa razão “mimética” assume simultaneamente a exigência de uma ética do cuidado e de uma estética atenta aos processos sociais imanentes à configuração formal dos objetos. Revisão: Alice Bicalho Projeto gráfico: Preto Matheus

Shopping cart

No products in the cart.